quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Ex votos numa colecção particular

 
 
Há algum tempo, ao folhear um dos catálogos do Palácio do Correio Velho, deparei-me com uma belíssima colecção de ex votos, ou promessas, que é outra das designações pelos quais também são conhecidos. Parece que foi propositado este encontro, pois dias antes, ao reler um dos artigos de Carlos Silva Lopes na compilação dos seus textos, efectuada pelo GEAD Gabinete de Estudos de Arte Decorativas da Universidade Católica Portuguesa, edição de 2004, encontrei o texto "Algumas peças de mobiliário nas tábuas votivas portuguesas", publicado no suplemento semanal de O Primeiro de Janeiro, de 3 de Novembro de 1968, onde o autor faz referência a peças de mobiliário desenhadas nessas ingénuas representações votivas. Para além do seu carácter devocional e de agradecimento pelas graças concedidas, são, também, excelentes fontes documentais para o estudo socio económico das épocas em reporte, dado que, muitas delas são datadas.

 
Neste exemplar, pintura a óleo sobre tela, Dª Maria Antónia Teixeira Chaves agradece a intercessão de Nossa Senhora das Ermidas, pela sua cura devida a um perigozo aborto ocorrido em Dezembro de 1776. O ambiente retratado indicia uma casa nobre. O seu proprietário, João F. Moraes Sarmento, fidalgo de caza de S. Mage. morador na cid de Miranda Reyno de Portugal, pertencia à fidalguia do reino. A imagem de N. Srª das Ermidas  surge ao alto, à direita, sobre nuvens. A composição restante mostra o interior do quarto, com a doente  repousando num leito de espaldar e dossel. Os tecidos são luxuosos, com rendas, franjas e borlas. Outros móveis, como um armário e cadeiras de braços, podem também, ser vistos. O tecto, dividido em caixotões com fechos de talha, mostra a riqueza da família e alguma educação artística do pintor, que representou, com fidelidade, alguns pormenores, que se evidenciam nas "franjas dos cortinados, nas rendas dos lençóis e cobertas das camas dos doentes"1. 
 
 
 
Ex voto invocando Nossa Senhora das Neves ao Captam José d'Affonseca Pinto de o livrar de uma grave moléstia (...) Seixo Setembro da era de 1719. A cena representa o interior do quarto do capitão, onde se pode observar o doente, na sua cama de dossel, com panejamentos e cobertas. Está rodeado dos seus serviçais, em atitude de agradecimento a Nossa senhora que, representada entre nuvens, se encontra em posição cimeira, à esquerda. O pintor representou o quarto com as paredes, chão e tecto pintados de cores variadas. O exame atento destas pinturas revela " facetas curiosíssimas da vida doméstica portuguesa"2. 

 
 
 
 
Este último ex voto, de cariz mais popular, representa uma graça concedida por Santo António, que livrou uma menina de ser atropelada por um carro de bois. Este quase acidente teve lugar em Vila do Conde, no ano de 1719.
Representa uma cena de exterior, na qual se pode ver uma rua de Vila do Conde onde circula um carro puxado por bois, carregado de sacos e conduzido por um homem do povo. A menina, objecto da graça concedida por Santo António, encontra-se debaixo do carro. A imagem de Santo António, posiciona-se à esquerda, envolvida numa nuvem.
Para terminar esta breve abordagem, ainda nas palavras de Carlos da Silva Lopes " erros e fantasias dos autores das pinturas votivas não anulam o valor documental das representações, quaisquer que elas sejam.  Trate-se de cenas marítimas ou terrestres, de acidentes de viação, de desastres ou de enfermidades na própria casa, com frequência as promessas apresentam pormenores de interesse para a compreensão da vida de outros tempos"3.
 
 


 
1/2/3- Carlos da Silva Lopes " Estudos de História do Mobiliário", pág.123 e 125. 
 
 

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Mes Dessins. Mes Endroits Préférés.

 
 
 
 
 
 
 
Portfolio em pergaminho contendo reproduções de 119 desenhos e aguarelas executados pela rainha D. Amélia, entre a última década do século XIX e a primeira do século XX.
Maria Amélia Luísa Helena de Orléans, princesa real de França, nasceu  em Twickenham, Inglaterra, no dia 28 de Setembro de 1865. Era filha de Luís Filipe, Chefe da Casa Real de França e da Infanta de Espanha, Isabel de Orléans  Montpensier. Quando foi levantada a interdição de viver em território francês, imposta aos representantes da família real, estes puderam regressar a França e habitaram o castelo d'Eu, na Normandia. Daí partiu para Portugal, onde entrou em Vilar Formoso, na madrugada de 19 de Maio de 1886. Noiva do Príncipe Real D. Carlos, vem a tornar-se rainha de Portugal em 1889, por morte do rei D. Luís.
Rainha-Mãe e Rainha-Viúva entre 1908 e 1910, parte para o exílio, vindo a fixar residência no Castelo de Chesnay a partir de 1920, local onde viveu até à sua morte, em 25 de Outubro de 1951.O seu corpo regressou a Portugal com honras de Estado, encontrando-se sepultada no Panteão Real do Mosteiro de  S. Vicente de Fora, junto do marido e dos filhos.
Senhora de forte personalidade e de esmerada educação, teve grande preocupação com os mais desventurados, procurando acudir-lhes com palavras e acções de conforto. Por sua iniciativa se criaram obras de assistência, como o Instituto de Socorros a Náufragos, o Dispensário das Crianças, em Alcântara e a Assistência Nacional aos Tuberculosos. Mesmo afastada de Portugal, a sua preocupação era constante. O Conde de Sabugosa, seu fiel e leal amigo, propôs-lhe a edição dos seus desenhos em dois álbuns, com o objectivo de angariar fundos para acudir a tal flagelo.
   
 
 


 
 
Foi, pois, por insistência do Conde de Sabugosa, que a rainha acedeu à sua publicação. A receita apurada destinou-se ao posteriormente denominado Instituto de Assistência Nacional aos Tuberculosos.  


 
 
Editado em 1926,em Paris por "LE GOUPY, EDITEUR, teve uma tiragem de 250 exemplares. Impressão realizada para a Condessa da Ervideira, com o número 151.
 
 


 
Segundo as palavras de Samanta Coleman-Aller "consta de 119 reproduções de desenhos que ilustram uma selecção do mesmo número de textos, escolhidos e manuscritos pela Rainha, de obras de Camões, Homero, Becquer, Dante Allighieri, Petrarca, Zorrilla, Gil Vicente, Baudelaire, Victor Hugo e Alexandre Herculano, entre outros. As "ilustrações" são em ocasiões obras que ocupam por completo a página e, noutras, apenas anotações na margem ou, até, em jeito de letras capitulares. A capa que reúne esta selecção é em pergaminho cor de marfim com dois atilhos em pele que fecham abotoados com pequenas bolinhas de marfim. A frente é decorada com a coroa real ao centro e nos quatro cantos o monograma "MA".

D. Amélia tinha uma especial predilecção por Sintra e Vila Viçosa. Alguns destes desenhos e aguarelas dizem-lhes respeito.

 
 
Este desenho do castelo de Vila Viçosa vem referido no índice com a expressão "Muraille extérieure et porte d'entrée du vieux châteaux de villa Viçosa (Dessin), executado em 1901.  O texto que o acompanha pertence à "Divina Comédia", de Dante



Resultado de imagem para castelo de vila viçosa
Imagem retirada da internet


 
 
O Paço da Vila, em Sintra, desenhado em 1897, a partir da fonte de Sabugo. Dá-lhe corpo um poema de Garrett:
 
Oh! Nobres paços da risonha Cintra,
Não sobre a roca erguidos, mas poisados
Na planície tranquilla - que memorias
Não estais recordando saudosas
(...)

 
 
 
Outra ilustração, de um pequeno apontamento do tecto da conhecida "Sala das Pegas" recorda o episódio das pegas de Sintra, passado nos tempos de D.João I e de D. Filipa de Lencastre. Acompanha este desenho um poema recolhido por Garrett, no seu Romanceiro.





O Príncipe Lichnowsky descreve a sala de jantar do Paço de Sintra,  como sendo  a sala das pegas que têm no bico uma fita com a inscrição "Por Bem". O rei D. João I terá ordenado a pintura destas imagens, de modo a que a resposta que deu à rainha D. Filipa, quando esta assistiu ao beijo roubado a uma das suas damas. Sem malícia, unicamente, "Por Bem".
Também interessaram a Rainha outros locais e peças de museu, que desenhou e deixou para a posteridade. Como exemplo, um desenho inspirado na "Pièce d'armure de François 1er par Benvenuto Cellini, existente no Musée d'Ajuda", pintado em 1895, a que juntou palavras de Camões.
 


Samanta Coleman - Aller, Casa Museu Medeiros e Almeida.
palacio-de-sintra.blogspot.com
Ivete Ferreira - "As Rainhas D. Maria Pia e D. Amélia e o Traje Feminino em Lisboa: 1860-1910". Matrizes da Investigação em Artes Decorativas, pág. 147.


domingo, 18 de dezembro de 2016

Natal de 2016

 
 
 
 
 
Uma composição que encanta pela serenidade.  Nesta incerteza que são os novos tempos, que a adoração do Menino nos traga Paz e Alegria.
Um Feliz Natal a todos.
 




quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Uma aventura e o o Museu do Cristo








 
Numa manhã de Outono, soalheira, mas já a chamar o frio, partimos da gare do Oriente a caminho do Porto.
Tínhamos como destino visitar o Museu do Cristo, instalado no edifício da Irmandade dos Clérigos. No Alfa (cujo estado das carruagens deixa muito a desejar) o tempo passou num ápice. Em conversa agradável e amena fomos dissertando sobre tudo e sobre nada, mas com uma cumplicidade que nasce do respeito e amizade profunda que se foi cimentando, ao longo de uma vida, que já vai um pouco longa.
O tema foram as colecções que este Senhor foi coligindo e desenvolvendo, com especial enfoque para peças que contivessem, em si representada, a figura de Cristo.
E ... de repente estávamos em Campanhã. Para um conhecedor e vivenciador do Porto, rumámos ao restaurante Aleixo. O almoço foi um dos afamados pratos desta casa - filetes de polvo com arroz de polvo. Tudo estava uma delícia.
 
 
Aproveitei e fui fotografando os prédios desta rua e de outras por onde, entretanto, fomos passando. Este aparte é para o Luís Montalvão. Fachadas de azulejo, cada qual mais bonita e interessante. Elementos de fachada em cerâmica - balaústres, pinhas, vasos e uma claraboia - que mereciam um estudo. Deixo uma imagem para deslumbrar e fazer nascer a vontade de ir até ao Porto e caminhar, de nariz no ar, para absorver bem a atmosfera romântica ( obviamente, refiro-me ao Romantismo), que, ao longo dos anos, foi vivida em terras portuenses.
 
 
 
 
Mas, o tema deste post é sobre o Museu do Cristo. Nasceu da vontade do seu doador. A colecção é composta por uma grande variedade de peças, cujo denominador comum é a imagem de Cristo.
Na fachada lateral do edifício fica a entrada do Museu. Recebe-nos um fragmento de Cristo, imagem recuada no tempo, de alta época, cujas linhas apontam para uma serenidade suprema.

 

 
 
É grande a variedade de imagens, pelo que se torna difícil a escolha. Para não tornar o texto muito  pesado, peço que se imaginem no museu e apreciem algumas das peças em exposição.
 
 
 
 
 
 
 


 
 

 O doador, Dr. António Miranda, quis, por sua vontade,  que todas estas belíssimas imagens pudessem ser fruídas por todos nós. É um convite para irem ao Porto, visitar uma cidade que, só a pouco e pouco, nos revela os seus segredos. Bem haja.
 
 
 
 


segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Coimbra tem mais encanto

 
 
O azul é a minha cor favorita. As faianças um dos meus temas de eleição. Em conjunto, tornam-se um motivo para debater algumas ideias, aventar hipóteses, sugerir ...
Neste recanto em tons de azul reuni algumas peças que poderemos, com alguma certeza, atribuir à produção coimbrã. As palanganas  são-no, indubitavelmente. As terrinas, pelo formato, pela cor, pela decoração, também apontam para uma mesma  proveniência.
 
 
 
Duas peças em ricos tons de azul, com apontamentos de manganés. Nitidamente inspiradas na produção oriental e no conceito de horror vacui mostram-nos uma ornamentação de vegetação exuberante, na qual as flores se distribuem por toda a superfície, numa clara demonstração de vontade de o autor preencher todo o espaço de que dispunha. Partindo de uma base assinalada por dois traços, as ramagens espalham-se, subindo até ao topo, definindo um eixo vertical à composição. Pelo meio, breves apontamentos de leves pinceladas, assumem-se como as folhas desses mesmos ramos de flores. Estas, em esponjado, uma das características que define a Faiança Ratinha, exibem a sua riqueza cromática, nos seus magníficos azuis, limitados pelo correr do pincel, em traços cheios ou ondulados, numa interpretação livre dos seus autores.
 
 
 
Entre outros materiais, considerados mais ricos e nobres, a pobreza da faiança coimbrã, moldada pelas mãos rudes e trigueiras dos seus artesãos, revela toda a sua riqueza nas formas, na policromia, na decoração e num enternecer que aquece as almas.


 
 
 
Palangana de ramo central de flores de linho. Sereno e belo. Toda a sua pujança está na cercadura, encordoada, num entrelaçar entre círculos esponjados e  traços elegantes e leves. A sua bicromia - azul e manganés - sobressai no fundo branco leitoso do seu revestimento esmaltado.
 
 

 
 
Duas terrinas que poderão ser atribuídas à produção (?) de Coimbra. Os seus tons de azul conjugam bem com as peças ratinhas anteriormente caracterizadas. A forma hexagonal de uma delas é usualmente atribuída a Coimbra. A sua decoração marmoreada lembra os lambris de azulejos, igualmente marmoreados,  que cercavam muitas das composições azulejares que podemos observar in loco ou nos museus. Ambas têm um tamanho mignon . Por isso ainda mais atraem o nosso olhar.
 
 
 
 
 


quinta-feira, 21 de julho de 2016

Bandeira e Fervença! Who knows...




Bandeira? Fervença? Qual das fábricas! Atribuir a produção das faianças às respectivas fábricas  torna-se uma tarefa ingrata. Certezas são poucas. Incertezas muitas mais.
Um pequeno conjunto com um elemento comum - o galo - mas em temáticas diferenciadas. Uns referenciam a força e a predominância masculinas, numa clara alusão à supremacia do homem sobre a mulher. Ideias vigentes na sociedade europeia desde tempos remotos, que reverenciavam a  superioridade masculina face à fragilidade feminina. Seres superiores, quer física, quer intelectualmente, à mulher estava reservada  a dedicação à família, a orientação/organização da casa e a representar condignamente o papel social que lhe era atribuído.







Este é, com forte probabilidade, um prato Bandeira. Esta fábrica produziu essencialmente modelos vulgares, de uso doméstico embora de riquíssima ornamentação. A sua decoração caracteriza-se por uma cercadura cheia, com folhas de carvalho bem recortadas  e flores, numa composição cheia de cor e alegria. Usavam a estampilha, complementada por elementos de pincel, que completavam a cena interior do covo. Neste caso, aludindo a um provérbio popular "onde há galo não canta a galinha", numa clara referência à superioridade masculina, face à delicadeza feminina. Os provérbios, carregados de sabedoria popular, dizem, em parcas palavras, verdades evidentes (!!!).







Um prato de grandes dimensões, diferindo do anterior por apresentar uma guardadora de aves, função que normalmente competia às jovens, por ser um trabalho mais leve e de menor exigência. A mesma estampilha do anterior, embora simulando uma cena campestre. Uma árvore dá sombra, enquanto o casal de galináceos se comporta em conformidade com as exigências sociais: superioridade e submissão. Menos rico em colorido, apresenta uma cercadura leve, de pequenos malmequeres azuis. Atribuição (?) ... aceitam-se alvitres. Gaia?







Este prato, com possibilidade de ser atribuível a Fervença, apresenta uma cercadura com conjuntos de pétalas separadas por uma traço contínuo, ondulante, no verde esbatido desta produção. No covo, em destaque central, uma pequeno galo, impante e orgulhoso, pela função que lhe foi cometida: guardião da chave que une os dois corações. Ladeiam-no  conjuntos de pétalas e folhas e rabiscos finos, traçados a ponta de pincel. Diz-nos Luiz A. de Oliveira que Fervença "fabricou louça de faiança muito bem laborada, proporcionando todos os materiais de primeira qualidade para a manufactura"1.







 Aplica-se uma quadra popular, expressando em palavras, o sentir do autor da composição.

Aqui tens meu coração
E a chabe pro abrir
Num tenho mais que te dar
Nem tu mais que me pedir




1- Luiz A. de Oliveira "Exposição Retrospectiva de Cerâmica Nacional em Viana do Castelo", Porto, 1920, Pág.135.









sábado, 28 de maio de 2016

Vilas operárias II

 
 
Novamente as vilas operárias. Este gosto por conhecer Lisboa tornou-se em mais um dos meus interesses. Quem sabe, tanta dispersão, a que resultados levará? Mas, um pouco de loucura, faz bem à alma e enriquece a vida.  
Há poucos dias, numa volta por Campolide, freguesia onde vivi até casar, deparei-me com algumas vilas operárias. Uma, que já tinha podido "ver em tempos", numa visita de estudo organizada pela CMLisboa, com o objectivo de contextualizar urbanisticamente o Aqueduto das Águas Livres. Nos seus tempos mais áureos a Vila Romão da Silva, assinalada por uma inscrição algo escondida no pilar do portão, anunciar-se-ia por uma placa cerâmica ou de outro modo mais digno. Hoje, a recordação fica-se por letras pintadas manualmente. São tão dignas como a mais elaborada das pinturas. 


 
 
Construída nas traseiras daquele que foi o Palácio Laguares, edifício do século XVIII, ocupado durante muitos anos pela escola primária nº13, actualmente aí funciona a Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul.
Com o incremento da industrialização tornou-se premente a necessidade de construir casas, económicas e salubres, para o operariado, parte integrante da nova realidade social que se forma nos finais do século XIX e se sedimenta nos primórdios do século XX. Necessitados de casas com melhores condições de habitabilidade, e dada a escassez de terrenos bem localizados, que fossem próximos dos locais de trabalho, e permitissem uma construção económica, assistimos ao aproveitamento de espaços nas traseiras dos prédios, muitos deles destinados à pequena burguesia.  Na Rua Professor Sousa da Câmara temos dois exemplos. A Vila Romão da Silva, com um amplo pátio, circundado por habitações de rés do chão e primeiro andar, onde um habitante solitário goza uma réstia de Sol e
 
 
 
 
 




 
 

a Vila Raúl com entrada por um portão gradeado, entre dois edifícios que dão directamente para a rua. Característicos das primeiras décadas do século XX, um deles ainda habitado, outro já com o destino traçado - o abate. Casas que ladeiam uma rua de acesso, porta e janela, num convívio quase forçado, entre os seus ocupantes




 

 
 
 
.

A condessa do Paço do Lumiar, em 1889, vendeu terrenos que detinha na zona de Campolide, para a construção do Bairro Novo de Campolide. As primeiras ruas delineadas e posteriormente executadas, designadas inicialmente pelos números 1 a 4, deram, posteriormente, origem às ruas Conde das Antas, General Taborda, Victor Bastos e D. Carlos de Mascarenhas. Para além de edifícios mais elaborados e com projecto de autor vamos, mais uma vez, encontrar as já "famosas" vilas operárias.
Na Calçada dos Mestres, rua que deve o seu nome aos mestres de ofícios que, no século XVIII, vieram trabalhar para o aqueduto das Águas Livres, também deparamos com a Vila Emília, com acesso por um portão de ferro e um arco, por debaixo do prédio, entretanto recuperado.
 
 






Encontrei o portão fechado. Mas o engenho e uma máquina "mignone" permitiram uma fotografia. Mais uma vez se nos depara uma rua estreita, com leve inclinação para o centro, talvez com o intuito de permitir que as águas escorressem, ladeada por casas baixas, aparentemente bem conservadas. Habitação menos remediada entre outras mais remediadas. Os operários ocupavam-nas, embora hoje os seus habitantes sejam outros, pois os filhos dos primitivos ocupantes fugiram para casas mais modernas, nos dormitórios adjacentes a Lisboa.
 
 

 
 

 
 
 
Na Rua Soares dos Reis, perpendicular  à Rua General Taborda, a Villa Motta, com acesso por um arco sob o prédio, portão gradeado, aberto, convidando a entrar. Não me fiz rogada. Sorrateiramente fui andando e deparei-me com uma senhora, gozando o sol de uma tarde amena. Orgulhosamente, informou-me que tinha nascido no nº 2, a casa por trás de si. Rua com calçada à portuguesa, de casa bem tratadas, algumas exibindo, com donaire, sinais exteriores de riqueza.
Continuando para a rua General Taborda a nossa vista encontra-se com a Villa Borba, com acesso através de um arco que passa por baixo do prédio. O mesmo esquema de edificação - rua bordejada por correnteza de casas, com três pisos.
 
 







Estas vilas, expressamente destinadas a famílias operárias, tinham regras bem definidas para a sua construção. O Regulamento Camarário de 1930 definia-as como "edificações destinadas a uma ou mais moradias construídas em recintos que tenham comunicação, quer directa, quer indirecta, com a via pública, por meio de serventia"1.


Ainda deambulando pela Rua Professor Sousa da Câmara,  deparei-me com a fachada azulejada de um palacete, encimado por balaustrada e peças de faiança: jarrões e pinhas.
 
 




 


 
 

Mas as surpresas ainda não tinham findado. Não muito ao  meu jeito, por regra sou tímida, entrei pelo portão do dito palacete. Devia ter sido a entrada de honra, mas agora está reduzido a  pequenas oficinas, uma delas de restauro de móveis. Qual não é o meu espanto quando avisto azulejos de figura avulsa, recolocados ao acaso, nos muros e paredes. No meio deles, sem qualquer relação, um motivo que nunca tinha visto - jarras de flores. Que vontade de os trazer comigo. Que belíssimo painel formariam, depois de devidamente restaurados. C'est la vie! Fica o prazer de os ter encontrado e de os dar a conhecer.
 
 
 
 
 

 
 
 
 
 

Nuno Teotónio Pereira "Pátios e vilas de Lisboa, 1870 - 1930:a promoção privada do alojamento operário". Análise Social, vol.XXIX, 1994, pág.512.